novelos soltos, emaranhados, organizados, escondidos, fiapos da vida......

novelos soltos, emaranhados, organizados, escondidos, fiapos da vida......
convido-os a desenrolar alguns fios reais e ficcionais

domingo, 16 de junho de 2013

REAL - Verás que um filho teu não foge à luta

Não tem como escrever uma crônica hoje em dia deixando de falar no assunto mais importante da história do Brasil (dos últimos anos). O ano de 2013 fará páginas em futuros livros de história com fotos e textos que, apenas posso supor, hoje.
Nasci nos anos sessenta. Sou filhote da ditadura. Cresci escutando o famoso: “os russos comem criancinhas” (não entendendo isso direito, apenas os associava ao lobo mau de Chapeuzinho Vermelho).
(foto: Diogo Santos)
Passei a adolescência escutando que “brasileiro engole tudo” “Brasileiro é cordeirinho” “Brasileiro aceita tudo” “Brasileiro não faz nada para mudar a situação”.
Escuto as pessoas falando dos outros povos, como Grécia, Espanha, Turquia, que – estes sim – são politizados, são conscientes e reclamam. Vão para as ruas!
Sinceramente? Eu não achava que a geração coca-cola e facebook fosse se mobilizar. Sei que tem vários que ainda ficam no facebook. Apoiando ou criticando, mas muitos estão lá. Na rua, sob chuva de balas de borracha e na pontaria de spray de pimenta.
(Há no FB dicas para se proteger em manifestações)

Agora escuto críticas contrárias: “mas este povo é baderneiro mesmo”, “aposto que são fantoches de outro grupo político que os está comandando”. “Mas que absurdo! Tudo isso por centavos!”
Não! Não é por centavos. Os centavos foram apenas a gota d’água de anos de corrupção, da colocação do Renan Calheiros na cúpula, do Feliciano nos Direitos Humanos, do PEC 37, da Lei do Nascituro, dos ataques homofóbicos ou racistas, dos estupros e assassinatos das mulheres, de um Carli que mata dois rapazes por dirigir bêbado e continua solto, por várias outras violências e PRINCIPALMENTE por uma saúde e educação mais que sucateada.
Escuto pessoas dizendo que há algum grupo político por trás. Que deve ser os próprios corruptos querendo confundir a população. Que isso tudo é orquestrado. Que não é o POVO se unindo.
Por favor, não tirem este prazer mínimo do povo que está sim se aproveitando das redes sociais (como fizemos quando Ratinho era o favorito aqui em Curitiba e conseguimos reverter), mas que está se revelando, sem partidos. O que posso dizer (apenas minha opinião) é que estamos sim aproveitando, por exemplo, os Anonymus.
Escuto as pessoas dizendo: “este grupo deve ser da bandidagem, se usam máscaras”. Incrível! Há uma propaganda que diz que nem todos que usam máscaras são bandidos. Que super-heróis também usam máscaras. Mas no caso da “realidade”, logo são tachados de bandidos.
No facebook achei um texto que infelizmente não encontrei mais devido à imensidão de comentários e postagens. Mas era de um ativista do grupo que pedia que os colegas conversassem com as irmãs, namoradas e esposas para que estas ficassem em casa, apoiando de forma virtual, pois os policiais estavam batendo em todos. Dizia que ver policial batendo em “marmanjo” não doía tanto nele, mas batendo nelas sim. Pedia desculpas para elas, dizendo que NÃO estava as chamando de sexo frágil, mas que nestas horas a violência era muita e que deviam se cuidar. Convocava os colegas com a frase “verás que um filho teu não foge à luta!”
Pergunto: onde está o homem violento aqui? Eles pedem o tempo todo a não-violência!
Tem um texto da Marina Colasanti – “Eu sei, mas não devia” que fala da inércia. Desse “permanecer em zonas de conforto” (por mais que sejam desconfortáveis).
Pois bem. O brasileiro cansou. O gigante adormecido despertou. E, aos que estão criticando, pergunto:
O que devemos fazer então? Se não querem que saiamos para as ruas?
Abaixo-assinados? Fizeram vários. Nada aconteceu.
Passeatas só com gritos? Fizemos várias! Nada aconteceu (sequer na mídia sai).
Movimentos “passivos” de subversão como colar cartazes com os pedidos? Um exemplo: no blog de Adonai ele pediu que os alunos colassem cartazes pelas faculdades federais. Apenas eram retirados. http://adonaisantanna.blogspot.com.br/2012/10/querem-ver-uma-foto.html

Não, pessoal! É de gota em gota que se extravasa. É de ver todos os dias gente morrendo nos hospitais por péssimo atendimento. É de ver professores sendo agredidos por alunos nas escolas, ou com péssimo ensino (professores que mal sabem escrever o português).
Pergunto de novo: isso tudo é orquestrado por alguém? Por quem?
Por favor! É o POVO, gente. Pessoas como eu e você. Nós somos o povo!

Tem alguns baderneiros que se infiltram? CLARO que tem. Sempre teve isso. Afirmo de novo: NÃO sou a favor da violência. Sou pacifista por natureza.
Mas... pergunto:
O que devemos fazer para chamar a atenção sobre a ENORME insatisfação da população que está cansada da falta de respeito? 
O QUE DEVEMOS FAZER?
Não esqueçam que há outros países apoiando o Brasil.

Para fechar, já que falei de literatura, falo também da música. Já que “caminhando e cantando e seguindo a canção” fez parte de minha vida. Há uma música que acompanha a “brincadeira” de V de Vinagre. VINAGRE (cliquem na palavra que abre página para a música)



4 comentários:

  1. "O preço da liberdade é a eterna vigilância"

    ResponderExcluir
  2. Susan, estou torcendo para que isto não seja fogo de palha, e realmente tenhamos acordado para o fato de este país pertence igualitariamente -- pelo menos assim deveria ser -- a cada um dos quase 200 milhões de cidadãos nativos ou não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou torcendo, Ismar! Também estou torcendo.

      Excluir