novelos soltos, emaranhados, organizados, escondidos, fiapos da vida......

novelos soltos, emaranhados, organizados, escondidos, fiapos da vida......
convido-os a desenrolar alguns fios reais e ficcionais

sábado, 14 de dezembro de 2013

REAL - Sou Heterossexual

Incrível a reação à postagem SOU HOMOSSEXUAL.
Eu já esperava um número maior de visualizações e de comentários diretos à mim. Mas não estava preparada ao que se passou.
Vamos pelo início:
Um aluno meu mandou uma mensagem pelo facebook comentando que finalmente havia se assumido para a mãe e que estava contente em saber que ela aceitou numa boa. 
Como eu já havia escutado diversos alunos comentando sobre as  dificuldades de se assumir homossexual (elas e eles), e como eu faço uma dinâmica todos os anos com os alunos (quem foi meu aluno lembra dos "Olhos Azuis"), eu tive a ideia de ME colocar nesta situação.
Claro que antes de colocar a postagem no blog eu fui conversar com minha mãe. Meus alunos sabem como sei ser uma boa atriz quando quero. Confesso que não foi fácil encontrar as palavras para dizer para ela. E confesso que fiquei realmente com receio da reação dela. Mas quando consegui dizer, ela me abraçou forte e disse: "filhinha... há quanto tempo você está sofrendo calada, filhinha? Meu Deus do céu. Eu te amo. Só quero que você seja feliz".  Óbvio que ela dizendo isso chorando, me fez chorar também. Mas fiquei aliviada (acho que sei como um homossexual que se declara para a mãe se sente). 
Só então contei da experiência que pretendia fazer. Ela gostou da ideia, tanto de eu sentir na pele, como para ver a reação das pessoas. E com tudo isso tentar fazer as pessoas refletirem sobre seus preconceitos. Mas também ficou preocupada (afinal, ela é mãe) que algo acontecesse comigo (seja no emprego, seja nas ruas).
Mas disse que me ajudaria, ou seja, caso alguém perguntasse para ela se era verdade e se ela sabia, ela confirmaria!
Então aguardei a repercussão pelo blog e face. Confesso que fiquei com receio, sim. Receio pelos novos conhecidos, receio de certas reações. Tive boas surpresas, tive surpresas desagradáveis. Dois "amigos" do FB me deletaram. Um deles me chamou de "bicha velha". Dois professores da Instituição onde trabalho fizeram comentários favoráveis, apoiando. Conversando com um deles sobre o "bicha velha", me disse rindo: "caramba! Duplo preconceito!"
Na verdade isso não me incomodou. Até foi bom, assim me pouparam o trabalho de deletar eles da minha vida. 
Dois "amigos" que viviam me "cantando" sumiram.
Eu esperava o apoio de outras pessoas e elas não me decepcionaram. Mãe, irmã e sobrinha me apoiaram. O resto da família ficou em silêncio. Não me perguntaram NADA. Não me disseram nada. E sabemos que o silêncio também é uma forma de manifestação. 
Eu já esperava o silêncio de algumas pessoas. Mas não imaginava que justamente isso seria o que mais me incomodaria: o silêncio.
Agora compreendo mais ainda o que dizem sobre preconceito passivo. Pessoas que diziam não ser, mas que agiram como preconceituosos ao não me apoiar.
Imaginem outra situação: digamos que você está abrindo seu coração para alguém e esta pessoa fica em silêncio. O que vc sentiria? Você está se abrindo totalmente, está vulnerável. Entenderam o exemplo? Você se declara, diz que ama a pessoa e ela fica olhando para vc em silêncio. Como vc se sentiria?
É algo horrível.
Assim, primeiro pedido que faço, caso algum amigo(a) seu(ua) se declare homossexual: apoie ou critique. Mas NÃO fique em silêncio.
Outras coisas que aconteceram: à medida que alguns amigos ou apenas conhecidos iam se manifestando a favor, me dando apoio, eu (para alguns) dizia inbox do se tratava. Um ou outro amigo se sentiu um pouco ofendido achando que eu estava "testando" a amizade. Juro que não foi esta a minha intenção (apesar de com certeza ter me mostrado quais são as pessoas com as quais posso contar nas dificuldades da vida, pois me aceitaram do jeito que sou). Peço desculpas aos que se sentiram ofendidos. Minha intenção com a postagem do SOU HOMOSSEXUAL era me colocar na pele do preconceito (realmente fazer um "Olhos Azuis" comigo mesma).
Confesso que por alguns momentos (logo após a postagem ou até pouco tempo atrás, eu pensei em confessar logo que não era homossexual), seja por pessoas que estava acabando de conhecer ou pelo silêncio que me incomodou. Mas daí refleti: se estou preocupada com o que os outros - que estão me conhecendo agora - vão pensar; isto não mostra o MEU preconceito?
Alguns me disseram... "ah.. mas se você não é homossexual, então é fácil de escrever um texto assim". Acham mesmo isso? Então os desafio a fazerem o mesmo. Postem no facebook que são homossexuais, sem contar a ninguém que não o são (como eu fiz) e vejam como é a reação das pessoas.
Enfim, peço, por favor, aos dois amigos que davam em cima de mim e que "fugiram", por favor, não voltem a me procurar. Peço aos que ficaram em silêncio: por favor, não venham dar desculpas. Sei que leram a postagem.
Aliás, esta foi uma das coisas que mais me espantou: o número de visualizações da postagem (como disse um amigo "tá certo que está bem escrito, mas o que será que fez com que tantas pessoas fossem ler?"). Acredito que o ser humano seja movido pela curiosidade, mas será que foi só curiosidade? Ou será que no fundo também teve um pouco da famosa "fofoca"? "Olha só, quem diria, a professora Susan". Ou será que o tema ainda é um tabu que provoca as pessoas? Enfim, coloco esta questão para que todos que leram e releram reflitam (caso desejem dar sugestões do porquê tanta visualização - quase mil até a data de hoje - favor colocar em comentários).
Fiquei satisfeita com o resultado em geral por vários motivos: consegui me colocar no lugar de um homossexual, pois vários me escreveram dizendo que é justamente assim que eles se sentem. Uma mulher madura que eu não conheço disse inbox que eu era muito mais "macho" que muitos homens por aí e que ela mesma só se assumiu para uma filha e genro, que mais ninguém sabia. Não a culpo. Infelizmente o mundo só PARECE preparado para esta normalidade. Mas não está. Consegui sentir (pelo menos um pouco) o preconceito, o medo, a dúvida, o receio.

Agora jogo uma dúvida para você, caro leitor: será que estou me "assumindo" agora como hetero porque realmente sou ou porque não aguentei a situação? 
Será que o fato de ter sofrido um preconceito (por mínimo que fosse), pois como disse um aluno (único que sabia de tudo isso pois foi ele que me fez escrever), "professora, os alunos gostam da senhora. Ninguém vai demonstrar o que está realmente pensando". Sim. É diferente por vários motivos: não tenho a cabeça de um adolescente, sou mais madura. Tenho uma vida pré-definida, "estabilizada". Tudo isso (se assumir) é MUITO mais difícil para os jovens. E muitos deles têm coragem de se assumir.
Uma pena. Algo que deveria ser visto com naturalidade (existe na Natureza diversos casos, não é uma doença - ouviu Feliciano? -  e nem antinatural) (repetições propositais).
E muitas pessoas ainda têm preconceito.  

Finalizando:
Agora você está se perguntando: "mas afinal de contas, ela é ou não é?"
Ora, o que interessa se sou mulher, branca, com 50 anos, se sou professora, escritora, se tenho ou não tenho alguém, se sou homo ou hetero? O que importa é que você saiba que sou um ser humano que ama e que quer ser amado (como todos). Se você tem dificuldades em lidar com esta dúvida... por favor, repense seu preconceito.
 Melhores frases que recebi pelo face:
"Eu acho que as nossas roupas deveriam ficar em araras espalhadas pela casa, sem esta de armário! Armário é baú, baú é túmulo!"
"Chocada, estarrecida: você tem 50 com esta carinha de 30?"
hehe obrigada a todos. Apenas peço aos que me escreveram dizendo: "apesar disso continuo sua amiga" - "mesmo assim continuo gostando de vc", que repensem a frase. Apesar de?? mesmo assim??  Como se fosse um problema ou uma doença?
Beijos para todos. Os que aceitaram, os que não aceitaram e os que ficaram em silêncio.

Por fim, descobri porque gosto tanto de Ganesha:

A história do Deus Ganesha
http://2.bp.blogspot.com/_esBngnYVs6k/TTUAi1_qsII/AAAAAAAAA2E/vyOhCqn18uY/s400/ganesha+logo.jpg


 No hinduísmo, Ganesha é uma das mais conhecidas e veneradas representações de Deus. 

Ele é o primeiro filho de Shiva e Parvati e é considerado o mestre do intelecto e da sabedoria. É representado como uma divindade amarela ou vermelha, com uma grande barriga, quatro braços e a cabeça de elefante, com uma única presa, montado em um rato. 

http://4.bp.blogspot.com/_esBngnYVs6k/TTUAtNyC0TI/AAAAAAAAA2I/LSshFd2cPds/s320/Ganesha+dance.jpg
Seu corpo é humano, enquanto  a cabeça é de um elefante; ao mesmo tempo, seu transporte (vahana) é um rato. Desta forma, Ganesha representa uma solução lógica para os problemas. É adorado junto a Lakshmi (a deusa da abundância) pelos mercadores e homens de negócio (A razão sendo a solução lógica para os problemas e a prosperidade).

Ganesha é conhecido também como o destruidor da vaidade, egoísmo e orgulho.


Ele representa o perfeito equilíbrio entre força e bondade, poder e beleza. Também simboliza as capacidades discriminativas que proveem a habilidade de perceber a distinção entre verdade e ilusão, o real e o irreal.


6 comentários:

  1. Susan, só agora fui ler seu primeiro texto. Naqueles dias estava tão atribulada, que deixei na caixa do gmail para ler mais tarde, e o faço na ordem inversa quando o tempo permite. Adoro digerir seus escritos devagar, nem me ocorreu que fosse um tipo de depoimento, achei que fosse uma crônica.  Que pena, pode achar que faço parte do exército de silenciosos, mas jamais o faria. Se tivesse lido, com certeza teria uma reação do tipo: não me importo, você ainda é a minha Susan. Faria como sua bela sobrinha (como é bela mesmo, não?). Agradeço nunca ter alimentado esses preconceitos, gosto e amo as pessoas que elegi como amigos pelo que elas representam para mim, não pelo que resolvem fazer das suas vidas. Mas pela sua coragem e desabafo, teria repensado alguns preconceitos sim. Mas teria certeza também que nada mudaria entre nós, só diria que se estivesse pesado demais, viesse dividir o fardo comigo... Sua atitude foi muito corajosa, se expor dessa forma para ajudar tantos outros a se assumir e fazer refletir,  foi admirável. Quando assisti a versão canadense mais recente, inspirada em Olhos Azuis, como você me explicou, chorei convulsivamente. Se tivesse lido na hora certa seu texto, acho que teria chorado pela sua descoberta e pela luta que enfrentaria, e ofereceria um abraço. Ele vai estar aqui sempre que precisar. 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lee... como eu disse nos comentários lá no face, percebi que nem sempre o silêncio é recusa... "nem sempre". Já tive dois casos que explicaram COM argumentos e percebi que se tratava de aceitação sim, mas sem achar palavras ou achando que elas não seriam necessárias... apenas reforço o que senti e o que percebo com os amigos homossexuais que me depois da primeira postagem: o silêncio incomoda sim. Não digo que isso é igual para todos eles. Afinal, cada um é cada um. Alguns nem ligam para o silêncio.

      Excluir
  2. Linda! Cada vez mais novelo, cada vez mais exemplar... sempre daqui te vendo, te ouvindo, te lendo, te sentindo... como nunca, sorria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio, Altino... acho que está mais difícil agora do que no primeiro. hehe mas foi bom! Agora compreendo muito mais muito mais coisas... aprendi muito... já sabia que nunca se agrada a gregos e troianos. Mas agora sei que - na verdade - não se agrada nem TODOS os gregos e nem TODOS os troianos. Fogo cruzado. Nem todos compreenderam os textos... acharam que foi brincadeira (não sou mulher de brincadeiras). Mas tudo bem. Independente do que se faz, sempre pode-se esperar que pessoas se ofendam. Já aprendi que muitas vezes as pessoas não fazem nada para nós, mas é assim que enxergamos as coisas... como se estivessem NOS ofendendo. Pontos de vista! Valeu pela força!

      Excluir
  3. fiquei com vontade de fazer igual, ADORO uma polêmica, hehehe. Diferente de vc, faria só por brincadeira, pra "trolar" os preconceituosos. Esses eu iria adorar ver as caras enraivecidas. Acredito e apóio as diferentes opiniões, só não suporto opiniões cauterizadas e donos da verdade. Já disse uma vez e repito: admiro sua coragem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio, Vanessa. Mas não aconselho ninguém a fazer isto. Não é brincadeira (em todos os sentidos). :D

      Excluir